Há quase quatro anos eu dedico a minha vida ao Coaching. Na verdade, toda a minha vida profissional e os conhecimentos acadêmicos que eu tinha até então contribuíram como background para essa metodologia poderosa. O que eu vivi e o que eu estudei, aliados à metodologia que eu estava conhecendo verdadeiramente, permitiram-me definir um caminho de evolução na experiência e no aprendizado como Coach.

O Coaching une conhecimentos de várias áreas, como a administração, a psicologia, a neurociência, a programação neolinguística, a comunicação eriksoniana, disciplinas comportamentais e muitas outras ciências,  metodologias e técnicas. Todas constroem uma única metodologia que chamamos de Coaching.  Não é por acaso que alguns dizem até que o Coaching é uma colcha de retalhos.

O que ninguém nos diz quando buscamos a primeira formação, com duração de aproximadamente 80 horas, é que para ser um Coach cada vez melhor é essencial aprofundar os conhecimentos em cada um desses “retalhos”, em cada uma dessas disciplinas. Para mim, aí já fica claro que Coaching não é moda, no sentido negativo da palavra.

Porém, nesses quatro anos vivendo e respirando a filosofia do Coaching, eu ouvi muitas coisas. Ouvi que Coanching é uma consultoria que tem na essência o direcionamento, as respostas e as orientações. Também ouvi que Coaching  é uma “mentoria”, quando um profissional sênior acompanha um profissional menos experiente com o intuito de ensinar e preparar. Ouvi ainda que Coaching é terapia. Tantos conceitos equivocados. Consequências, talvez, de profissionais mal preparados ou que nunca fizeram uma formação, mas que querem aproveitar a onda. Toda profissão tem os profissionais de excelência e aqueles que estão de passagem.

O que me motivou a escrever esse texto, no entanto, foi uma conversa que tive com uma pessoa em um evento popular. Ela estava em um estande “vendendo” desenvolvimento humano. Como qualquer apaixonado pelo tema, fui conferir do que se tratava. Para minha surpresa, ela apresentava uma nova ciência, criada por eles. Fiquei surpresa, já que, para desenvolver uma ciência, os caras realmente deveriam ser muito bem preparados mesmo, certo? Pois é, foi quando ela me apresentou o programa. Nele havia Coaching. Ele  me explicou: o nosso Coaching é diferente. No Coaching comum o coach  faz perguntas (isso é verdade), no nosso Coaching você não diz nada, fica na minha frente e eu digo tudo sobre você.

Consegue dimensionar o choque que foi para mim? Ainda não tive a oportunidade de ter um encontro com eles. Mas antes disso já posso afirmar que isso não é Coaching. É como se você inventasse um veículo de duas rodas e o chamasse de caminhão. Você pode dar o nome que quiser. Mas o fato de chamar de caminhão jamais transformará seu veículo de duas rodas em um caminhão. Faz sentido?

Nesse dia eu entendi por que o Coaching virou moda. Porque a sua metodologia é muito poderosa. E aqui quero fazer um alerta. Tomem cuidado! Não compre bicicleta por caminhão. A bicicleta é um ótimo meio de transporte, assim como é a motocicleta, o automóvel ou o avião.  Todos são meios de transporte, mas um diferente do outro. Se o que você busca é Coaching, não permita que lhe enganem com outra metodologia, não leve gato por lebre. Pois Coaching é Coaching!

One Response

  1. Vc é impressionante. Sou tua fã e vc sabe e sente isso. Profissional mais do que incrível. Um monstro de conhecimento e um poder fantástico de transmitir tua força e teu conhecimento.

Deixe uma resposta