A Jornada do Herói na Organização

A Jornada do Herói na Organização

            Em 1949 o antropólogo americano Joseph Campbell (1903-1987) publicou um livro chamado “The Hero with a Thousand Faces” (O Herói de Mil Faces), no qual ele sintetizou que a história dos mitos e heróis que conhecemos passa inexoravelmente por um processo composto por algumas etapas. O conjunto dessas etapas ele chamou de “Hero´s Journey” (A Jornada do Herói).

            A Jornada do Herói mostra de forma lúdica todas as fases que antecedem o triunfo final do herói, pois é comum analisarmos o herói somente sob o ponto de vista do seu sucesso, da sua vitória. E assim acabamos por ignorar todos os desafios, medos e crises pelos quais os heróis passam antes de triunfar e, principalmente, o trabalho duro que é necessário para que ele atinja seus objetivos. A Jornada do Herói pode ser resumida na figura abaixo:ciclo-do-herói-1024x594

            Essa jornada é uma metáfora perfeita para o que acontece nas organizações, pois os elementos da Jornada do Herói se fazem muito presentes no nosso dia-a-dia:

  • Estado Atual: quando a pessoa se sente estagnada e isso a incomoda. Está estável, mas sabe que tudo o que ela deseja encontra-se fora da zona de conforto;
  • Chamado para a Aventura: a pessoa decide buscar novos projetos, novos empreendimentos. Deseja uma promoção. É quando ela começa a deixar a sua zona de conforto em rumo a novos desafios;
  • Assistência: é a ajuda necessária para enfrentar os desafios que se apresentam. É quando a pessoa sabe o que precisa desenvolver e, mais importante ainda, sabe onde encontrar esse apoio e com quem contar para o seu desenvolvimento;
  • Partida: quando o profissional começa sua caminhada em direção aos novos objetivos que traçou. Quando inicia seus novos projetos ou o seu novo trabalho;
  • Experiência: a pessoa passa por experiências enriquecedoras durante essa trajetória. Algumas a estimulam, outras quase a fazem desistir. Nesse momento ela percebe o quanto deve trabalhar duro até atingir seu objetivo final;
  • Aproximação: a pessoa sente que está próxima de alcançar o que deseja. Só que é neste ponto que ela precisa confrontar com alguns de seus piores medos;
  • Crise: o confronto com os medos leva a pessoa para a crise. Fica aquela sensação de que já foi longe demais para desistir agora, mas que ainda falta muito para chegar onde deseja. É o momento em que precisa ser mais forte, para não sucumbir;
  • Tesouro: ao passar pela crise e ao enfrentar todos os medos e os desafios, a pessoa constata que em termos de aprendizado a jornada em si é tão ou mais valiosa que o resultado final;
  • Resultado: quando a pessoa alcançou os resultados que desejava. É a concretização de tudo aquilo que ela buscava;
  • Retorno: é quando o profissional olha para si mesmo e analisa a jornada até então. Quando ele volta suas atenções para tudo o que conseguiu e reconhece seus méritos e toda a ajuda que recebeu;
  • Nova vida: toda essa jornada mudou a vida da pessoa. Ele se superou, teve novos aprendizados e cresceu em termos profissionais e pessoais;
  • Resolução: tudo o que o profissional precisava resolver para com o seu “antigo” eu profissional já foi resolvido;
  • Novo Estado Atual: elevado a um novo nível, o profissional agregou valor a sua carreira e não é mais o mesmo de antes. Logo ele sentirá o chamado para novos desafios.

        Esta jornada é um ciclo, ou seja, nunca terminará. Somente terá fim se o profissional desistir no meio do seu processo evolutivo ou se optar pela estagnação. Em ambos os casos, o crescimento pessoal e profissional não vai acontecer. Fica claro então que para que sejam alcançados os resultados desejados é preciso começar uma jornada. E persistir nela.

Deixe uma resposta